quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Sou...mas não sou...

Nem tudo o que digo sinto, nem tudo o que sinto digo!
Queria o outro lado... Sem dependências...
Sem amor, Sem carinho, sem atenção, sem palavras...
As minhas...as de alguém!
Mas sei que é ... Impossível.
Tento! Porém a consciência, ecoa:
"não vás por ai"...
Mas a vontade, o orgulho ganham:
"é por aqui".
Há noites assim!
Descemos à terra, observamos o que se passa.


O silêncio incomoda.
As palavras magoam, a verdade doí.
A solidão aperta, e fico tão pequena e invisível como as gotas que caem na janela.
Ouvem-me, sentem-me, mas acabo por desaparecer...
Não há um Ele.
Não há a quem pedir ajuda.
Não há!
Só existe uma ela... com pensamentos, palavras perdidas levadas com o tempo.
Acções irreflectidas...sem sentimento.
Há noites assim!
Tudo magoa, tudo é triste...
Não há sorrisos, não há esperança...
Não há caminho, não há vontade
Há noites assim!
Mais uma em tantas...mais uma cabeça perdida!
Mais um coração sem direcção...



Com noites assim*

1 comentário:

...também não sei. disse...

simplesmente lindo...bolas fikei kum no na garganta. Á ganda claroca!**